Presença com ternura!

Deixe um comentário

Esta é a foto que mais me toca quando penso

na interação com uma presença por inteiro! E neste caso, presença e ternura!

Anúncios

“Tudo que vem de fora eu lavo”

Deixe um comentário

Encontrei Matilda depois de alguns anos de tê-la conhecido, numa das minhas viagens de férias. Qdo cheguei em sua casa, ela já foi dizendo: “Ah, por favor Esther, você pode deixar seus sapatos na entrada. Acho que tenho umas manias. Tudo que vem de fora eu limpo ou lavo para que a sujeira não entre dentro”.

Depois de trocar os sapatos por chinelos confortáveis, fiquei pensando nisto: “a sujeira que vem de fora que contamina dentro”.

Como conheço bem Matilda, sei que esta foi a dinâmica da sua vida. Para sobreviver e preservar sua saúde mental. De alguma forma ela encontrou um jeito de se proteger: mesmo criança, fez um filtro e coava tudo que chegava aos seus ouvidos e olhos, deixando de fora o que poderia mudar seu coração e sentimentos, ou contaminar a percepção que tinha de si mesma. Acho que com isto ela desenvolveu uma forma saudável de viver. Talvez o que ela não precisa agora que se tornou adulta, é de tanto desgaste e tempo limpando as possíveis sujeiras que vem de “fora”.

Não posso deixar de lembrar das palavras de Cristo, qdo se referiu a possíveis alimentos com alguma sujeira: “Nada que entre numa pessoa pode torná-la impura, porque não entra em seu coração, mas no estomago, sendo depois eliminado… o que sai, sim, pode torná-la impura porque vem do coração.” Mc7.18/19

Parece que como pessoas adultas nossa preocupação maior deve ser a limpeza dos conteúdos da nossa vida que se derramam de dentro para fora. Muitas vezes até sem que percebamos, mas que podem danificar tanto os outros como a nós mesmos!

Abraço.

21.jun.2008 – 10h59

Adiando a satisfação!

Deixe um comentário

Saber adiar a satisfação de um desejo requer maturidade. A criança não tem recursos para avaliar que se esperar pode ter um lucro maior. Quando se pergunta para uma criança se ela quer de imediato uma barra de chocolate de 100 gramas ou se quer esperar por mais tres dias e ganhar cinco barras; se ela gosta de chocolates e está desejosa de saboreá-lo, ela escolherá ganhar uma barra na hora, ao invés de esperar.

Quantas vezes fazemos isto na vida! Satisfazemos nossos desejos e vontades sem avaliar as consequências das escolhas feitas. E há situações que alguns minutos de prazer resultará num gosto amargo para toda a vida.

Manter o espírito lúdico na vida não significa levar a vida levianamente sem avaliar as possíveis consequências de escolhar precipitadas!

A espera pode aumentar o prazer na satisfação de um desejo!

Abraço