A revolução no Oriente Médio que derrubou ditadores, começou alguém que bem poderia ser um brasileiro, nordestino e camelô – como era Basboosa, o tunisiano.
Na manhã daquela sexta-feira, 17 de dezembro, Basboosa se levantou, tomou seu banho, fez suas orações e partiu empurrando seu carrinho para vender frutas e legumes no centro da cidade. Basboosa era camelô – com essa atividade, sustentava a família. Seu pai morrera deixando sete filhos, quando Basboosa tinha apenas 3 anos. A mãe se casara de novo, mas a saúde debilitada do padrasto obrigou o garoto a abandonar a escola antes de terminar o ensino secundário.
Aos 26 anos, o rendimento de Basboosa era irrisório, equivalente a R$ 250 por mês vendendo frutas e legumes no centro da cidade do interior onde vivia, marcada pelo alto desemprego e pela corrupção da classe dominante. Sua casa, de barro, ficava a 20 minutos a pé do centro. E era sob o sol escaldante que Basboosa empurrava seu carrinho todos os dias. Quando saiu de casa naquela sexta-feira, não imaginava que seria a última vez que percorreria a estrada de terra com seu carrinho. Chegou cedo, às 8 da manhã, a fim de garantir um bom ponto. Esperava vender toda a mercadoria, que pegara consignada na véspera.
Tudo corria bem até a chegada da polícia. Basboosa já estava acostumado. Desde criança, ele e outros ambulantes eram perseguidos pela polícia simplesmente por tentar ganhar a vida de maneira honesta. Normalmente, exigiam uma licença, mas o próprio governo local dizia que vendedores com carrinhos não precisavam do papel. Na prática, o que os agentes queriam sempre extorquir algum dinheiro.
Basboosa não conseguiu entrar em acordo com os policiais. Foi agredido, cuspido e ainda ouviu ofensas à memória de seu pai. O carrinho e os produtos foram jogados na rua, e os policiais ainda confiscaram sal balança. Revoltado, Basboosa foi aos órgãos públicos para protestar de forma civilizada. Tentou falar com o governador da região, na própria sede do governo, mas não foi recebido. Às 11h30, tomou uma decisão radical. Voltou à frente do prédio oficial, jogou gasolina sobre o próprio corpo e pôs fogo em si mesmo.
Basboosa não morreu imediatamente e foi levado ao hospital. Ele não era brasileiro, embora sua história de sofrimento, dor e humilhação pudesse ter ocorrido em qualquer lugar do Brasil. Não morava no sertão nordestino, embora o sol, a corrupção e o desemprego de sua terra sejam iguais a tantos lugares do semi-árido sertanejo. O rapaz era tunisiano e residia em Sid Bouzid. Basboosa era seu apelido; seu verdadeiro nome, que ficará para sempre na história, era Tarek Al-Tayyb Muhammad Bouazizi.
Depois de seu ato de auto-imolação, Basboosa agonizou por quase 3 semanas antes de morrer no último dia 4 de janeiro. Durante aquele período, uma verdadeira revolução começou na Tunísia. Assim que a ambulância partiu com Basboosa, uma multidão começou a se juntar. À tarde, já era uma manifestação e a polícia compareceu com seus cacetetes e bombas de gás lacrimogêneo. A partir de então, com uma forte ajuda da internet e de suas redes sociais, os protestos tomaram conta do país. No dia 14 de janeiro, o presidente tunisiano Zine el Abidine Ben Ali terminava seus 23 anos de ditadura fugindo com a família para a Arábia Saudita, depois de não ser aceito na França.
Inspirados pelos acontecimentos na Tunísia, populações de outros países árabes também começaram a se rebelar. Os egípcios deram fim à ditadura de 30 anos de Hosni Mubarak e o país encontra-se sob um governo de transição. A Líbia está em plena guerra civil – e quando este texto for publicado, é provável que o insano Muammar Gaddafi já tenha deixado o poder, vivo ou morto. Outros países como Argélia, Bahrein, Iêmen e até Arábia Saudita já veem nascer protestos e manifestações. A revolução ultrapassou fronteiras e a morte de Basboosa, que se imolou por sua dignidade, serviu que milhões de outras pessoas lutassem pela dignidade.
Mas e se Basboosa se chamasse Barbosa e fosse brasileiro? E se fosse um sertanejo nordestino, e não um árabe tunisiano? E se fosse um camelô no Rio ou em São Paulo e tivesse sido humilhado pela polícia daqui? E se ele tivesse colocado fogo em si mesmo em Copacabana ou na Avenida Paulista? Será que uma manifestação aconteceria, ou seu ato iniciaria uma revolução? Infelizmente, é provável que não. Se Basboosa fosse brasileiro, nordestino, camelô e se chamasse Barbosa, a única coisa que seu suicídio geraria seria um comentário do tipo: “Um vagabundo a menos na cidade!”
Carlo Andre Carrenho – Revista Cristianismo Hoje

Anúncios