Não consigo deixar de pensar nos significados das comemorações cristãs. E hoje comemoramos a ressurreição de Cristo. A fé cristá descoberta pelo meu pai, antes do meu nascimento, mudou radicalmente a minha história. Uma boa parte dos meus antecedentes eram irresponsáveis com os filhos, tinham várias mulheres e muitos eram alcoolistas. Alguns eram bandidos e assassinos. Eram violentos. Todos tinham nomes feiosos e sem significado. Ninguem estudava, tinham escassez de tudo e viviam na mais terrível miséria. Com o advento do cristianismo na vida do meu pai. Tudo mudou: ele se alfabetizou, documentou o nascimento de todos os filhos, escolheu nomes com cuidado e significado. Exigiu que todos estudassem, mesmo as meninas (pratica que não existia no contexto dele) e era rígido com a desonestidade com a vadiagem e falta de compromisso. Cresci no contexto de que havia um Deus resgatador. Houve um momento na minha vida que não tive para onde ir a não ser reconhecer que Cristo Jesus vive! Hoje eu continuo crendo e creio, também em todos os mistérios(o que não dá para explicar na fé cristã) e muitas coisas se fizeram e ainda se fazem novas na minha vida. Portanto minha meditação nesta páscoa, novamente, é sobre Maria de Magdala, para mim “a mulher que viu”.

MARIA MADALENA: O MELHOR ENCONTRO

Ela nasceu em Magdala e porisso ficou conhecida como Maria Ma(g)dalena.

Ela foi libertada por Cristo, da opressão mortal de sete espíritos malignos.(Lc 8.2) E desde então O seguia, nas curtas viagens que fazia, servindo-o com seus bens. Por causa disto até hoje muitos afirmam que ela tinha um caso com Cristo. O que não passa de difamação, uma vez que as escrituras registram apenas a grande afeição que ela tinha pelo seu Salvador e libertador.

Depois de Maria, mãe de Jesus, ela foi a mulher que mais se preocupou e mais esteve presente na crucificação, morte e sepultamento de Cristo. Ficou ali no Golgota até o fim. (Jo.19.25) E quando  José de Arimatéia, no final do dia de sexta-feira, conseguiu autorização para sepultar Jesus, Maria Madalena o acompanhou e observou com muito cuidado onde o corpo fora colocado.(Mt.27.61) Maria foi para casa preparar as especiarias que ela usaria para terminar o trabalho de embalsamamento. No domingo, Maria levantou bem cedo e com outras mulheres, foram até o sepulcro.(Mt.28.1) Ficou muito assustada quando deparou com o túmulo vazio. Correu para chamar Pedro e João, que vieram ao local e constataram que o corpo não estava lá. Os dois voltaram para casa, mas Maria ficou ali sentada, chorando desconsoladamente.(Jo.20.1 a 12)

Para ela era frustrante demais não poder prestar seu último serviço Aquele que tanto fizera por ela. Todos se foram, mas ela chorando, ainda insistia em localizar o corpo de Cristo  para levá-lo consigo.

E é o próprio Cristo que se apresenta, chamando-a de forma afetiva e dando a ela a mensagem mais impactante e transformadora de todos os tempos.

Maria Madalena foi e anunciou: “EU VI O SENHOR! ELE ESTÁ VIVO!”

Maria amou profundamente a Cristo até na morte. Buscou o corpo morto e se encontrou com o Cristo vivo. Chorou toda sua dor pela morte mas recebeu em primeiro lugar a notícia da Vida.

Meu desejo: Que eu tenha a mais profunda afeição por Cristo Jesus, que me resgatou e me libertou de uma vida sem sentido e medíocre. E que mesmo que todos desistam, indo embora, que eu permaneça até encontrar o Senhor da Vida.

Anúncios