Ontem fez doze anos que a Sheila, uma das pessoas que mais gostei na vida, faleceu. Ela me pimg_1161rocurou como psicoterapeuta porque tinha recebido um diagnóstico que viveria apenas cinco meses, por causa do câncer que devastava seu corpo. Depois disto ela viveu 10 anos! E caminhar com ela foi uma das experiências mais rica da minha vida.

 

 

Publico hoje, o que falei (a convite dela, ainda em vida) na cerimonia religiosa do seu funeral.

DESPEDIDA DO CORPO DA SHEILA 

Ser convidada, pela própria pessoa ainda em vida, para participar do último cerimonial da sua vida, a despedida do seu corpo, no funeral, é honroso e difícil ao mesmo tempo.

Honroso porque, sempre me senti muito amada pela Sheila. E o pedido para que eu estivesse aqui confirma o carinho e consideração que ela demonstrava para comigo. Difícil porque eu também amei e gostei dela e apesar de ter tido muito tempo para me preparar para este momento, meus sentimentos se misturam entre o alívio de vê-la já sem dor e a saudade que já sinto da presença física dela.

A primeira vez que a Sheila manifestou o desejo para que eu falasse em seu funeral, me preocupei em saber o que ela gostaria que eu falasse. E ela respondeu:

“Fale de como vivi. De como me empenhei em ser gente. De como fiquei atenta para experimentar cada sentimento em toda sua profundidade. E de como eu quis aproveitar cada minuto da minha vida. Não quero virar um tipo de santa na minha morte. Não quero rasgação de seda. Quero apenas que me vejam como alguém que viveu intensamente…”

E assim passo a relatar aqui alguns dos assuntos que fizeram parte dos nossos encontros, entendendo que eles dizem respeito a uma vida com intensidade.

Em dezenas de situações nosso assunto girou em torno de:

  • A alegria de estar viva, de respirar, de sentir, de ver, de caminhar, de comer, de curtir e brigar com os familiares (e são vários), de trabalhar, de dançar, de namorar, de ter sonhos e de alcançá-los…. Cada uma destas coisas era uma comemoração! Minha e dela.
  • A finitude humana. Não somos tão poderosos como as vezes pensamos. E toda e qualquer beleza, ou aparência física, ou superioridade um dia se desfará diante da realidade da nossa finitude aqui nesta vida.
  • Do morrer e do viver. Do medo da morte, que nos ilude, fazendo de conta que somos exceções. E nos conduz ao medo da vida, que nos paralisa e nos trava de viver. E nos leva ao fazer mecanicamente tantas coisas, sem o sentir. Ou então nos leva a fugirmos de nós mesmos e passamos a viver uma vida fragmentada. Pela metade. Acho que uma das figuras que representam a vida e a morte que a Sheila mais gostava era a de que:

A vida é como um rio que começamos a atravessar desde que nascemos. A morte são as bandeirinhas que acenam na outra margem. Cada um tem a sua, mas os portadores de doenças terminais enxergam a própria bandeirinha. Os outros vivem como se não tivessem a sua própria bandeirinha”

  • O cansaço de tanta quimioterapia, de tantos exames, de tantas consultas, de tantas internações, dos efeitos colaterais, de ser exemplo, de ser forte….
  • A raiva de ter câncer. De ter um prognóstico de que morreria jovem. De muitas vezes não ser compreendida. De muitas vezes se ver e ser vista como vítima. De muitas vezes não receber o que gostaria. E também, muitas vezes, de receber o que não gostaria.
  • A tristeza de saber de que muitos dos seus sonhos não seriam realizados….
  • As carências: a necessidade de depender de outros; de cuidar de outros; a necessidade do toque físico, o quanto era bom abraçar e ser abraçada; o gostar de beijos, de carinho, de ternura; o anseio pelo calor de um corpo….

Enfim o quanto precisamos um do outro.

  • De Deus. Das dúvidas a respeito da Sua existência, dos questionamentos da fé, da expectativa do mistério de crer, do sofrimento angustiante de Cristo Jesus no Getsemane e no Calvário. Mas também da convicção que mesmo o corpo morrendo, em Cristo somos eternos….

Com a Sheila, tive que encarar a finitude do meu próprio corpo. Com a Sheila aprendi a tomar posse, pela fé, da eternidade do meu viver em Cristo Jesus, enquanto estou aqui. Com a Sheila fui estimulada a me entregar por inteira a cada coisa que escolho fazer. Porque por ter convivido com ela, tenho mais consciência de que cada momento pode ser o último.

A presença dela, mesmo em silêncio, me lembrava que enquanto alguma parte do meu corpo estiver viva, ainda posso celebrar a vida! E depois do meu corpo morto posso me apossar da VIDA!!!

Quero fazer minha a última palavra que a Sheila, já meio entorpecida pelos sedativos, mas ainda com força para entreabrir os olhos, me disse:

“Obrigada!”

Obrigada Sheila!

Sentirei saudades da sua presença, mas você está viva em minha vida!

Quero agora deixar para todos a poesia (de um participante,  Ailton Lopes, do último Grupo de Encontro que a Sheila participou (maio de 2004 em Campos do Jordão), escrita quando ele soube que ela seria sedada para passar os últimos momentos sem dor.)

VAI AMIGA 

saudade…

tristeza…

dor…

seu desejo pela vida e sua alegria metastasiou em nossos corações.

a intensidade de suas emoções invadiram nossa alma.

vai amiga…

vai pra festa q é sua…

vai pros braços dAquele q já trilhou todos os caminhos antes de vc,

por amor a vc.

se eu não soubesse q esse momento é só seu

lhe pediria pra levar a gente junto. Tom Lopes

 

Finalmente quero dizer que muitas vezes eu esperei por você Sheila. Mas agora é você  quem vai esperar por mim.

Aguarde-me!

Eu chegarei lá!

Esther Carrenho    30/10/2004

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios