“Não é mais a morte com seu poder destruidor quem dá as ultimas cartas, mas a ressurreição e a certeza de novos céus e nova terra…”

A morte e ressurreição de Cristo também nos abriram mais uma porta: somos capazes de lidar com nossa finitude, pois ela nada mais é que um elo entre a vida da qual já tomamos posse aqui na Terra e o desfrutar sem limites desta vida na eternidade. Apesar da nossa limitação, podemos viver livres do fardo da morte.

Pablo Richard (teólogo chileno) afirma:

“A pessoa espiritual é a pessoa viva, salva, liberta da morte. A espiritualidade não é a vida da alma liberta do corpo, mas a vida da pessoa liberta da morte. A salvação é o resgate da vida contra o poder da morte, não é o resgate da alma contra o poder do corpo…Quando a morte e o medo dela determinam a natureza da vida humana e a ressurreição não tem mais nenhum poder e verdade, cessa a vida espiritual. É aquilo que o apóstolo Paulo afirma quando diz “comamos e bebamos porque amanhã morreremos”.

O fatalismo da morte cria a loucura e o desespero da vida. Reduzimos a existência humana a uma busca frenética de significado a partir da morte e da desesperança que ela cria. Nada há além dela a não ser o vazio e o caos. É uma vida orientada pela morte e para a morte.

A ressurreição de Cristo, ao contrário, traz uma nova esperança. Não é mais a morte com seu poder destruidor quem dá as ultimas cartas, mas a ressurreição e a certeza de novos céus e nova terra…É a presença daquele que Deus com poder ressuscitou dentre os mortos e que agora, presente na vida daqueles que creem, faz com que o eterno e o terreno se misturem, dando um novo sentido para a vida.” Livro: Ressurreição Interior, página 67/68

FELIZ PÁSCOA!  Para todos!

 

Anúncios