MINHA GRATIDÃO

Era um dia quente de sol. Levantei as quatro horas da manhã, tomei o café simples com pão caseiro e em companhia do meu pai rumei para a plantação de feijão para carpir todo o mato que teimava em querer sufocar cada um dos pés de feijão que brotava da terra. A tarefa era árdua e cansativa. O dia parecia ter muitas horas a mais que vinte e quatro horas. E as horas pareciam intermináveis. Depois do meio dia o sol era escaldante e as quatro da tarde, quando enfim poderíamos ir para casa, demorava demais para chegar.

Assim era minha vida aos doze anos!

Mas neste dia lá pelas onze vimos uma figura que vinha caminhando pela estrada em direção ao lugar em que estávamos. Quem seria a tão honrosa visita? Coisa difícil de acontecer naquele local. Não era o dono das terras. Não era nenhum parente. Quem poderia ser?

A medida que o espaço entre o caminhante e meu pai diminuía começamos a identificar. Era o pastor responsável pela igreja onde íamos aos domingos cultuar o Deus da Bíblia, que eu já tinha aprendido a crer que Ele existia. Surpresa total. E meu coração batia mais forte diante da expectativa sobre qual assunto faria com que aquele homem deixasse a cidade, pegasse um ônibus e viesse até aquele local, ao meu ver perdido no mundo.

Fazia um tempo, meu pai tinha pedido ajuda, para que alguma família me recebesse para que eu pudesse continuar meus estudos. Na época o que chamamos hoje fundamental II. Mas na ocasião, depois de procurar, o pastor não viu como me ajudar. Nem ele, nem qualquer outra família da comunidade religiosa.

Naquele dia o pastor veio até nós para perguntar ao meu pai se eu ainda queria continuar meus estudos. Meu pai, homem de visão e destituído de qualquer traço de machismo, disse que sim. E naquela tarde foi combinado que no final de semana eu iria morar na casa do pastor, ajudar com as quatro crianças e estudar a noite.

Meus dias de agricultora e também de escassez de recursos, acabaram naquela semana. Descobri várias frutas e alimentos que até então não conhecia. Mais brincava com as quatro crianças do casal, do que trabalhava. E ainda dormia na biblioteca da casa, onde delirava entre os livros que escolhia para ler, até desmaiar de sono e de cansaço.

Ontem foi a comemoração de noventa anos, de cada um deles (com a diferença apenas de alguns dias entre um e outro). Eu fui para a comemoração. E enquanto estava lá a emoção tomou conta do meu coração várias vezes, ao relembrar minha trajetória na vida, iniciada na casa deles. Hoje posso avaliar a coragem deste casal em correr riscos, em investir na minha vida, e em escolher me amar mesmo quando meu comportamento não foi adequado, acreditando nas minhas transformações.

Serei para sempre grata aos dois, e espero que este depoimento possa servir de estimulo a muitos que abrem mão de tanto e investem naqueles que nada tem.

Muito, mas muito obrigada mesmo ao casal Salovi e Cenyra Bernardo.

PARABÉNS PELOS NOVENTA ANOS!

Anúncios