MINHA VIDA: Quinta década

6 Comentários

De 1987 a 1996

Casa nova. Vizinhos novos.

Nova rotina de idas e vindas.

Tudo novo. Tudo diferente.

Mas sou do tipo que me desapego logo. Por causa das muitas mudanças de casa na minha vida deixo para trás com muita dor, mas deixo, o que já não me pertence e me apego ao novo com unhas e dentes. E assim desfrutava de cada novidade.

Até que nossa casa foi arrombada e saqueada por duas vezes em menos de um mês, enquanto estávamos fora. Tensão, taquicardia, radar da apreensão ligado. Medo de sair e medo de entrar em casa…

Mudamos para um apartamento. Vigésimo quarto andar!  Era estranho. Sentia-me aprisionada. Mas da altura que estávamos tínhamos uma vista maravilhosa para a represa Guarapiranga! Era um colírio para meus olhos e um balsamo para meu coração. Todos os dias. Acho que de todos os lugares que morei este foi o de visual mais lindo!

Filhos crescendo e entrando na adolescência. Cada dia um novo desafio. Quem tem adolescentes, não tem rotina!

Com mais tempo disponível fui trabalhar por quatro horas diárias na mesma Comunidade onde, meu marido, era o administrador

Dedicação com muito afinco, como voluntaria, ao trabalho com grupos pequenos, congressos e aconselhamento feminino numa comunidade religiosa que tinha a frequência de mais de 500 mulheres.

Novamente descobri a dor do preconceito e da descriminação por ser líder e mulher. Na comunicação da forma diferente como eu via, era zero em assertividade (até hoje, minha nota é baixa…rs), entendi que o melhor era calar e continuar apenas naquilo que entendia que era um caminho possível no mundo masculino.

Algumas pessoas me decepcionaram muito. Vi-me ferida e em algumas situações muito dolorida! O sentimento era de injustiça. Não conseguia compreender porque meu potencial e talentos não eram aceitos para toda a comunidade. Mas entendi claramente que o tratamento que recebia não tinha nada a ver nem com a fé, e muito menos com o Deus que eu acredito. Depois desta clareza fiz o que me foi permitido fazer com alegria e contentamento.

Por outro lado, lindamente, muitas outras pessoas, homens e mulheres foram amorosos, generosos e bondosos para comigo e para com minha família. Não me faltou nada. Nem material, nem emocional e nem espiritual!

Filhos saindo de casa para estudar fora do país, numa época, sem WhatsApp, sem Skype e com ligações telefônicas caríssimas. Ainda guardo alguma das cartas dos meus filhos de quando moraram fora.

De repente recebo a um baita presente. A maior surpresa da vida. Uma família que me procurou para aconselhamento viu meu talento e facilidade nesta área e me presenteou com o pagamento dos cinco anos de faculdade de psicologia, caso eu passasse no vestibular.  Fiquei com medo, chorei, mas passeie encarei a faculdade de psicologia com muito esforço e afinco e consegui tirar de letra!

Morte do meu pai. Senti muito a partida dele. Meu pai marcou muito minha vida principalmente, porque era um homem simples, mas nunca foi machista. E num contexto de cultura nordestina onde só os meninos estudavam, ele decidiu e determinou que suas filhas não seriam analfabetas.

Ganhamos novos filhos. Hospedamos dois americanos. O primeiro por um ano; o segundo por ano e meio. E hospedamos também um coreano por três meses. Um sobrinho veio morar na minha casa por algum tempo. E quando menos esperamos, concordamos em cuidar e dar o melhor para uma garota de 14 anos, que não podia mais ficar na companhia da mãe e do padrasto. Hoje ela não tem nosso DNA, nem nosso sobrenome mas se tornou nossa filha!

Nesta década aconteceu mais um tempo de muitas descobertas a respeito d´eu mesma. Por uma exigência da faculdade de psicologia, fui para a psicoterapia semanal. E a partir do processo psicoterapêutico pude perceber o quanto eu apresentava uma imagem de forte para disfarçar todo o meu lado frágil, sensível e carente. Aprendi a gostar de mim forte/frágil; frágil/forte! Deixei de ser só “metade”¹

Filhos de volta. Faculdade de um deles e a minha. Estágios e mais estágios e finalmente as universidades, concluídas. Recebi meu diploma de licenciatura em psicologia e especialização para atendimento clinico, exatamente no mês em que fiz 50 anos.

meu-consultorio-1

Foto atual de parte da sala onde trabalho e passo a maior parte do meu tempo.

Fui convidada a deixar o voluntariado que fazia na igreja e dei início ao que considero, a atividade mais nobre da minha vida, atendimento clinico em psicoterapia, no meu consultório!

Mais uma mudança. Meu marido, para facilitar minha vida , porque eu já trabalhava na Vila Mariana resolveu procurar um apto mais perto do meu trabalho e que nos favorecesse na velhice. E encontrou. Compramos!

De Interlagos para Vila Mariana. Na boca do metrô. De um lugar cheio de verde para a muvuca da Rua Domingos de Morais. Novamente tive que avaliar: vantagens e desvantagens. E decidi desfrutar das vantagens. A vista do Parque Ibirapuera. Ao longe, no Bairro Morumbi a vista do Palácio do governo. (Hoje com a construção de tantos prédios nossa vista foi quase toda interditada.) Era só descer no térreo do prédio e qualquer coisa que eu precisasse estava a meu alcance com apenas alguns passos: farmácia, supermercado, lojas, restaurantes, cafeterias etc.

Amo este lugar! E acho que desta moradia, eu só saio para a última viagem da vida. Pela morte.

Anúncios

OS MANACÁS DA SERRA E OS CICLOS DA VIDA

18 Comentários

No dia 01 de agosto foi o velório e o enterro do meu sogro Lourenço Moreno Carrenho, que era o representante mais idoso dos Carrenhos. Tinha 98 anos. Um homem que por  toda a vida viveu coerente com seus valores e princípios. Era disciplinado na alimentação, dormia o suficiente todos os dias e sempre cumpriu seus deveres para com o trabalho e para com os credores.

Tinha um sobrenome forte. A começar por mim, meu sobrenome foi engolido pelo Carrenho. Passei a ser Esther Carrenho e quase ninguém sabe que antes do Carrenho eu era “Gomes de Lima”. Ainda sou. Mas só quando vou exames laboratoriais é que a atendente chama: “Esther Gomes”. Eu só ouço na segunda vez, porque na primeira me soa estranho e até o meu cérebro processar que sou eu mesma , já sou chamada a segunda vez.

Fiquei triste com a morte do meu sogro, mesmo reconhecendo que ele viveu bem seus 98 anos. Além de triste, mais uma vez fiquei reflexiva sobre o que é a vida. E duas coisas me chamaram muito a atenção:  A presença de sete bisnetos e um pé de manacá. O da foto.

Quando percebi os bisnetos lembrei do outono quando muitas espécies de arvores derrubam suas folhas amareladas e enfraquecidas e em seguida começam a surgir novas folhinhas de um verde bem claro mas cheias de brilho e viço. Enfim, o que envelheceu se vai para que os novos surjam!

Quando vi o pé de manacá-da-serra, que tem o nome científico de(Tibouchina mutabilis), pensei sobre os ciclos da vida. Aprecio muito os manacás, tanto quanto as cerejeiras e os ipês. Mas os manacás me instigavam pela variedade e tonalidade de cores de suas flores: brancas, rosas claro, rosas escuro e lilás. Um dia lendo uma reflexão do Alex Rocha, um colega, tudo se esclareceu para mim. Quando as flores nascem no pé de manacá elas são brancas, depois de algum tempo elas se tornam rosas e quando estão envelhecidas ficam todas lilás. É o ciclo da vida: infância, juventude e velhice.

Fiquei por alguns minutos vendo este manacá que florescia bem do lado direito da entrada  do velório. Observei a convivência das flores de várias tonalidades e vi naquele momento a família da qual eu faço parte representada. Lá dentro estavam os Carrenhos com crianças, jovens e adultos. Alguns já envelhecidos anunciando que podem “cair” a qualquer hora como a flor lilás do manacá.

A presença dos bisnetos, sendo que três deles são meus netos, e o pé de manacá consolou meu coração dolorido naquele dia.Manacás flor

Bem aventurados os olhos que veem!