13 RAZÕES PORQUE NÃO TIRAR A VIDA DO CORPO.(Uma ótica cristã.)

Deixe um comentário

(Escrevi este texto como aula que dei, no mês de abril/17 para um grupo de adolescentes que fazem parte do 548 da CBMoema. Transcrevo aqui porque entendi que pode ser de interesse de outras pessoas.)

1 – SOMOS MORADA DE DEUS! Romanos 8.11

O Santo Espirito de Deus habita no corpo humano.

Deus criou o corpo no início. E Cristo disse que o Espirito Santo mora em nós. O corpo é sagrado. Não temos autorização para violar ou destruir a morada de Deus.

2 – NÃO PRECISO ME CASTIGAR! Isaias 53.5

O castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, Cristo.

O autoflagelo está fortemente ligado ao sentimento de culpa e ao sentimento de dívida. É preciso pagar…

Não precisa!!! Já está pago. Isto é afirmado categoricamente. Há realmente um castigo que alivia a dor da psique. Mas este castigo já foi sofrido na morte de cruz em Cristo. Seja bondoso e misericordioso para com você mesmo.

3 – SOMOS OBRAS DE DEUS. Salmo 139.13

Deus criou o íntimo do meu ser e teceu o meu corpo no ventre da minha mãe.

Não somos obra do acaso. Deus falou: Haja eu!!! Houve um decreto no universo para que você existisse do jeito que você é. Não existe dois DNAs e nem dois digitais! Você é único, mesmo caminhando numa multidão. Se alguém lhe disse algo diferente, jogue fora esta fala.

4 – SOMOS PERDOADOS. TOTALMENTE! 1ª Carta de João 1. 9

“Se confessarmos nossos pecados ele é fiel e justo para nos perdoar de todo o pecado e nos purificar de toda injustiça”.

Não carregue culpa por nada. Carregar culpa é algo incoerente com o evangelho de Cristo. Confesse toda e qualquer culpa, verdadeira ou falsa, e João que foi amigo íntimo de Cristo, disse que vc será perdoado. Carregar culpa é a mesma coisa que montar um cavalo com um fardo nas costas. O preço já foi pago. Deus olha para sua ficha através do sacrifício vicário de Cristo, e não vê nada anotado. Está limpa. Confesse e aceite o perdão doado.

5- DEUS NUNCA ME ABANDONA. Salmo 27.10

“Ainda que meu pai e minha mãe me abandonem Deus não me abandonara.

Em toda a Biblia Deus tem um cuidado especial para com o estrangeiro, para com o pobre, com a mulher desamparada e nunca, mas nunca mesmo desampara o órfão!

Há muitas situações que colegas de escola, do trabalho, professores e pessoas insensíveis, as vezes movidas por inveja, vão zoar você. Vão menosprezar e farão de tudo para diminuir você. Lembre-se disto. O Pai (Deus) garante que ficará do seu lado e nnca, jamais o abandonará.

6 – TENHO TALENTOS ESPECIAIS E DONS! Romanos 12. 6 a 8

Deus nos deu talentos antes de nascer, e dons especiais quando cremos em Cristo.

E ainda nos dá maneiras únicas de realiza-los.

Uns são em especial sensíveis, outros falam bem, outros são extremamente simpáticos. Outros manejam bem as mãos; outros os pés. Outros são criativos; outros enxergam o que ninguém vê. Uns trabalham bem sozinhos; outros gostam de presença. Uns são dados a pesquisas outros a realizar. Uns são hábeis para as ciências exatas; outros para ciências humanas. Uns transitam bem no mundo dos poderosos endinheirados; outros caminham com os miseráveis nos becos dos “homeless”. Uns enfrentam os bandidos exploradores, sem medo; outros defendem a dignidade, muitas vezes, perdida, destes mesmos bandidos.

Lembre-se sempre disto: Aconteça o que acontecer há algo especial que só você tem.

7- ELE É MEU PROTETOR NAS TEMPESTADES DA VIDA! Salmo 57.1

Teremos dores e perdas. Sofreremos traições, injustiças, golpes, incompreensões e outras dores.

Enquanto for dada ao ser humano a liberdade de escolher o bem, muitos escolherão o mal e assim muitos inocentes serão vítimas deste mal. Até a natureza, uma vez que foi invadida pela humanidade pode nos dar golpes vingativos. Mas podemos nos proteger sob as asas do Pai, Deus.

Ele é meu protetor. Posso me esconder nele até as tempestades passarem.

8 – DEUS TEM PODER PARA ME GUARDAR! Judas 24

Ele é poderoso par anos guardar até o dia final.

Não preciso temer o futuro. Nem qualquer coisa que possa me atingir. Aconteça o que acontecer posso desenvolver a capacidade de desfrutar da presença de Deus em toda e qualquer situação.

9 – SOMOS ACEITOS POR DEUS. João 6.37

Somos aceitos por Cristo, como somos.

“Aquele que vier a mim de maneira nenhuma lançareis fora”. CJ

Não importa por onde você andou, nem quantas vezes fez coisas ferradas, nem quantos danos já causou a si mesmo e a outros a fala de Cristo é: VENHA! Do jeito que você está e Ele é capaz de aceita-lo.

É Graça. Não precisa pagar promessa, e nem pagar nada. É só ir como está…e o novo pode surgir!

10 – CRISTO É FONTE DE DESCANSO E ALIVIO.

Mateus 11.28

“Vinde a mim todos que estão cansados e oprimidos e eu vos aliviarei. Aprendam de mim, que sou manso…e meu jugo é suave; meu fardo é leve”

Quando estamos cansados e oprimidos, seja lá qual for a razão, podemos ir a Cristo e encontramos alivio.

Ao contrário da religião cheia de regras, o verdadeiro cristianismo é um lugar de refrigério e consolo. É um lugar de leveza e acolhimento. Não confunda regras religiosas criadas pelos homens que trazem condenação e exigências absurdas com o convite de caminhar na contracultura com Cristo.

  1. DEUS PODE FAZER NOVOS CAMINHOS SE TUDO ACABAR, Isaiais 43.9

Deus é poderoso para fazer novos caminhos, mesmo que seja no deserto. Mas Ele só pode fazer o novo se o corpo continuar vivo.

É preciso sentir a perda e se despedir do que se foi. E estar pronto para recomeçar com o que estiver disponível!

Exemplo do Lars Grael que perdeu uma perna. Chorou por ela, mas chegou um momento que ele se despediu da perna que não mais existia e colocou seu foco no corpo que ainda tinha.

A vida é uma só e ela está no corpo. Mesmo para quem crê na reencarnação, a vida presente continua sendo através do corpo. Destruí-lo é abrir mão de toda e qualquer esperança para as possibilidades de começo em novos caminhos.

  1. SOMOS VALIOSOS AOS OLHOS DE DEUS. Mateus 6.25 e 26

Valemos mais que passarinhos. Muito mais!!!

A crença de que não se tem valor é mentirosa. Quem lhe fez sentir sem valor, errou absurdamente. O simples fato de você respirar o oxigênio do ar já é um sinal de que você tem valor e tem a sua disposição a bondade de Deus.

  1. VOCÊ NÃO É IDIOTA. DEUS NOS FEZ FILHOS! João 1.12

Carregamos o DNA de Deus. Temos parte da identidade dÊle.

A vida tem sentido! Você não é o resultado de um descuido. Há um significado pra você! Não permita que a morte precoce deixe um vácuo no sentido não concluído neste mundo.

Viva!!!

Suicídios na Bíblia

Judas: Mateus 27. 1 a 5 Atos 1.18/19

Judas se matou por causa da culpa…

Saul I livro de Samuel 31 1 a 5 e I Crônicas 10. 4 a 6

Saul percebeu que sua morte seria eminente e a antecipou.

DIÁLOGO SOBRE O SUICÍDIO

A morte é um assunto evitado na atualidade.

Tanto que crianças nunca participam dos rituais de velórios.

Batemos na madeira quando se fala em morte…

E falar sobre a realidade da morte e a finitude da vida aqui é a possibilidade de se viver melhor!

As mortes trágicas chocam muito…

Suicídio é uma morte trágica.

E, claro, se não falamos em morte natural, evitamos a todo custo o assunto suicídio.

A dor do suicídio é difícil de administrar, porque o assassino e a vítima estão na mesma pessoa!

Os sentimentos são intercalados entre compaixão e raiva.

E aqueles que estão bem próximos sofrem a dor da perda e a angústia da culpa.

Onde foi que eu errei? É a pergunta que parentes e profissionais próximos fazem

Obs: Na série 13 reasons why percebe-se um jogar a culpa no outro.

O que aconteceu?

Um assunto nunca falado de repente foi escancarado nas redes sociais.

O que tem de positivo nisto?

Em muitos meios o assunto está sendo ventilado e discutido.

E A MELHOR MANEIRA DE SE EVITAR E SE PREVENIR A RESPEITO DO SUICÍDIO É CONVERSAR SOBRE O ASSUNTO E NÃO PROIBIR OU NUNCA ABORDAR.

PERGUNTA:

Você conhece alguém que se matou?

Por que você acha que esta pessoa se matou?

CONSIDERAÇÕES SOBRE SUICÍDIO:

1 – Suicídio pode ser a resposta a determinada situação. Mas não é a única.

Os colegas de Hannah, também tiveram experiências doloridas e acharam outra forma de responder. Pode-se conversar, brigar, denunciar, afastar, buscar ajuda com pessoas for do contexto em que se vive…

 

2 – A morte por suicídio não é solução para problemas difíceis. É apenas um jeito de transferir o problema para outros.

O melhor caminho de solução para uma dificuldade é encarar a dificuldade e pedir ajuda. É bem melhor do que simplesmente sair de cena.

Suicídio levanta muito mais problemas… Então não é uma solução inteligente.

Menino de 11ª, que viu o ultimo capitulo da série.

Perguntei: O que vc achou? Ele respondeu: Ela não foi muito inteligente…

3 – A possibilidade da morte como suicídio começa com o desejo de morrer (ideação) e pode ir se desenvolvendo até o planejamento de dar cabo a própria vida.

Há personagens na Bíblia que tiveram o desejo de morrer. Mas não se mataram:

Moisés: Numeros 11. 11 a 15 – Quando percebeu o peso de ser líder de um povo.

Elias: I Reis 19.4 Quando recebeu um ultimato para deixar o país, com risco de perder a vida.

Jó:  3.11 e  6.8e9 – Jó quando perdeu bens, os filhos e a saúde…

Cristo: Mc 14.34 – Quando percebeu que o caminho da cruz seria dolorido demais.

Nenhum destes percorreram o caminho que leva ao suicídio.

O que é necessário, para que busquemos outras alternativas?

Hannah fala em mais de um episódio que ela se sente só e invisível.

Então pode existir uma gama de sentimentos e percepções de si mesmo que podem deixar uma pessoa vulnerável no trato com os problemas e as maldades da vida.

Algumas perguntas podem ajudar a avaliar como você se vê.

Eu me sinto amado e querido?

Sou importante para alguém?

Eu me vejo com algum valor?

Quais situações e coisas da minha vida de que não gosto?

 

Anúncios

GENTE QUE FAZ DIFERENÇA

3 Comentários

MINHA GRATIDÃO

Era um dia quente de sol. Levantei as quatro horas da manhã, tomei o café simples com pão caseiro e em companhia do meu pai rumei para a plantação de feijão para carpir todo o mato que teimava em querer sufocar cada um dos pés de feijão que brotava da terra. A tarefa era árdua e cansativa. O dia parecia ter muitas horas a mais que vinte e quatro horas. E as horas pareciam intermináveis. Depois do meio dia o sol era escaldante e as quatro da tarde, quando enfim poderíamos ir para casa, demorava demais para chegar.

Assim era minha vida aos doze anos!

Mas neste dia lá pelas onze vimos uma figura que vinha caminhando pela estrada em direção ao lugar em que estávamos. Quem seria a tão honrosa visita? Coisa difícil de acontecer naquele local. Não era o dono das terras. Não era nenhum parente. Quem poderia ser?

A medida que o espaço entre o caminhante e meu pai diminuía começamos a identificar. Era o pastor responsável pela igreja onde íamos aos domingos cultuar o Deus da Bíblia, que eu já tinha aprendido a crer que Ele existia. Surpresa total. E meu coração batia mais forte diante da expectativa sobre qual assunto faria com que aquele homem deixasse a cidade, pegasse um ônibus e viesse até aquele local, ao meu ver perdido no mundo.

Fazia um tempo, meu pai tinha pedido ajuda, para que alguma família me recebesse para que eu pudesse continuar meus estudos. Na época o que chamamos hoje fundamental II. Mas na ocasião, depois de procurar, o pastor não viu como me ajudar. Nem ele, nem qualquer outra família da comunidade religiosa.

Naquele dia o pastor veio até nós para perguntar ao meu pai se eu ainda queria continuar meus estudos. Meu pai, homem de visão e destituído de qualquer traço de machismo, disse que sim. E naquela tarde foi combinado que no final de semana eu iria morar na casa do pastor, ajudar com as quatro crianças e estudar a noite.

Meus dias de agricultora e também de escassez de recursos, acabaram naquela semana. Descobri várias frutas e alimentos que até então não conhecia. Mais brincava com as quatro crianças do casal, do que trabalhava. E ainda dormia na biblioteca da casa, onde delirava entre os livros que escolhia para ler, até desmaiar de sono e de cansaço.

Ontem foi a comemoração de noventa anos, de cada um deles (com a diferença apenas de alguns dias entre um e outro). Eu fui para a comemoração. E enquanto estava lá a emoção tomou conta do meu coração várias vezes, ao relembrar minha trajetória na vida, iniciada na casa deles. Hoje posso avaliar a coragem deste casal em correr riscos, em investir na minha vida, e em escolher me amar mesmo quando meu comportamento não foi adequado, acreditando nas minhas transformações.

Serei para sempre grata aos dois, e espero que este depoimento possa servir de estimulo a muitos que abrem mão de tanto e investem naqueles que nada tem.

Muito, mas muito obrigada mesmo ao casal Salovi e Cenyra Bernardo.

PARABÉNS PELOS NOVENTA ANOS!

TRIBUTO À SHEILA

3 Comentários

Ontem fez doze anos que a Sheila, uma das pessoas que mais gostei na vida, faleceu. Ela me pimg_1161rocurou como psicoterapeuta porque tinha recebido um diagnóstico que viveria apenas cinco meses, por causa do câncer que devastava seu corpo. Depois disto ela viveu 10 anos! E caminhar com ela foi uma das experiências mais rica da minha vida.

 

 

Publico hoje, o que falei (a convite dela, ainda em vida) na cerimonia religiosa do seu funeral.

DESPEDIDA DO CORPO DA SHEILA 

Ser convidada, pela própria pessoa ainda em vida, para participar do último cerimonial da sua vida, a despedida do seu corpo, no funeral, é honroso e difícil ao mesmo tempo.

Honroso porque, sempre me senti muito amada pela Sheila. E o pedido para que eu estivesse aqui confirma o carinho e consideração que ela demonstrava para comigo. Difícil porque eu também amei e gostei dela e apesar de ter tido muito tempo para me preparar para este momento, meus sentimentos se misturam entre o alívio de vê-la já sem dor e a saudade que já sinto da presença física dela.

A primeira vez que a Sheila manifestou o desejo para que eu falasse em seu funeral, me preocupei em saber o que ela gostaria que eu falasse. E ela respondeu:

“Fale de como vivi. De como me empenhei em ser gente. De como fiquei atenta para experimentar cada sentimento em toda sua profundidade. E de como eu quis aproveitar cada minuto da minha vida. Não quero virar um tipo de santa na minha morte. Não quero rasgação de seda. Quero apenas que me vejam como alguém que viveu intensamente…”

E assim passo a relatar aqui alguns dos assuntos que fizeram parte dos nossos encontros, entendendo que eles dizem respeito a uma vida com intensidade.

Em dezenas de situações nosso assunto girou em torno de:

  • A alegria de estar viva, de respirar, de sentir, de ver, de caminhar, de comer, de curtir e brigar com os familiares (e são vários), de trabalhar, de dançar, de namorar, de ter sonhos e de alcançá-los…. Cada uma destas coisas era uma comemoração! Minha e dela.
  • A finitude humana. Não somos tão poderosos como as vezes pensamos. E toda e qualquer beleza, ou aparência física, ou superioridade um dia se desfará diante da realidade da nossa finitude aqui nesta vida.
  • Do morrer e do viver. Do medo da morte, que nos ilude, fazendo de conta que somos exceções. E nos conduz ao medo da vida, que nos paralisa e nos trava de viver. E nos leva ao fazer mecanicamente tantas coisas, sem o sentir. Ou então nos leva a fugirmos de nós mesmos e passamos a viver uma vida fragmentada. Pela metade. Acho que uma das figuras que representam a vida e a morte que a Sheila mais gostava era a de que:

A vida é como um rio que começamos a atravessar desde que nascemos. A morte são as bandeirinhas que acenam na outra margem. Cada um tem a sua, mas os portadores de doenças terminais enxergam a própria bandeirinha. Os outros vivem como se não tivessem a sua própria bandeirinha”

  • O cansaço de tanta quimioterapia, de tantos exames, de tantas consultas, de tantas internações, dos efeitos colaterais, de ser exemplo, de ser forte….
  • A raiva de ter câncer. De ter um prognóstico de que morreria jovem. De muitas vezes não ser compreendida. De muitas vezes se ver e ser vista como vítima. De muitas vezes não receber o que gostaria. E também, muitas vezes, de receber o que não gostaria.
  • A tristeza de saber de que muitos dos seus sonhos não seriam realizados….
  • As carências: a necessidade de depender de outros; de cuidar de outros; a necessidade do toque físico, o quanto era bom abraçar e ser abraçada; o gostar de beijos, de carinho, de ternura; o anseio pelo calor de um corpo….

Enfim o quanto precisamos um do outro.

  • De Deus. Das dúvidas a respeito da Sua existência, dos questionamentos da fé, da expectativa do mistério de crer, do sofrimento angustiante de Cristo Jesus no Getsemane e no Calvário. Mas também da convicção que mesmo o corpo morrendo, em Cristo somos eternos….

Com a Sheila, tive que encarar a finitude do meu próprio corpo. Com a Sheila aprendi a tomar posse, pela fé, da eternidade do meu viver em Cristo Jesus, enquanto estou aqui. Com a Sheila fui estimulada a me entregar por inteira a cada coisa que escolho fazer. Porque por ter convivido com ela, tenho mais consciência de que cada momento pode ser o último.

A presença dela, mesmo em silêncio, me lembrava que enquanto alguma parte do meu corpo estiver viva, ainda posso celebrar a vida! E depois do meu corpo morto posso me apossar da VIDA!!!

Quero fazer minha a última palavra que a Sheila, já meio entorpecida pelos sedativos, mas ainda com força para entreabrir os olhos, me disse:

“Obrigada!”

Obrigada Sheila!

Sentirei saudades da sua presença, mas você está viva em minha vida!

Quero agora deixar para todos a poesia (de um participante,  Ailton Lopes, do último Grupo de Encontro que a Sheila participou (maio de 2004 em Campos do Jordão), escrita quando ele soube que ela seria sedada para passar os últimos momentos sem dor.)

VAI AMIGA 

saudade…

tristeza…

dor…

seu desejo pela vida e sua alegria metastasiou em nossos corações.

a intensidade de suas emoções invadiram nossa alma.

vai amiga…

vai pra festa q é sua…

vai pros braços dAquele q já trilhou todos os caminhos antes de vc,

por amor a vc.

se eu não soubesse q esse momento é só seu

lhe pediria pra levar a gente junto. Tom Lopes

 

Finalmente quero dizer que muitas vezes eu esperei por você Sheila. Mas agora é você  quem vai esperar por mim.

Aguarde-me!

Eu chegarei lá!

Esther Carrenho    30/10/2004

 

 

 

 

 

 

 

 

 

QUASE 70

19 Comentários

Estou fazendo 6.9 de km rodados na vida, no dia 06-02-2016. Quase setenta!
Gerei, criei e amaternei filhos, plantei árvores e escrevi livros e quero continuar viva!
Ando em vários caminhos. Uns são meus, outros atravessaram os meus. De surpresa! Mas em cada um deles quero fazer parte do lado bom da história! Que Deus me ajude!
Quero muito mais fecundar do que produzir!
Nasci pobre. Muito pobre. Meus pais tinham uma casinha de madeira com uma cama, um armário, um fogão, uma mesa e quatro cadeiras…
Enquanto eu era gestada, numa noite cheia de estrelas meu pai entendeu que Cristo realmente era Divino e decidiu segui-lo. Dai para frente tudo mudou na vida dos meus pais e na minha.

Recebi um nome bíblico, porque Ester foi uma rainha que se preocupou mais com o povo israelita, do que com ela, e meu pai profetizou na minha vida desejando que eu ajudasse a muitos. A diferença está apenas numa letra. O escrevente acrescentou um h no meu nome, e ficou ESTHER, o que muito me extasia. Gilberto Safra, psicanalista paulistano, autografou um livro para mim e percebeu no meu nome o mesmo “th” de THeos, o nome de Deus no grego. Nunca me esqueci. E sempre desejo que algo de Divino habite em mim…e que possa refletir em outros!
No caminho da vida já penei muito.

Já fui desamparada, mas encontrei forças e driblei a morte dos afetos. Já fui humilhada, sofri mas aprendi a não olhar “por cima”; já fui explorada, chorei mas não me permiti tornar-se subserviente; já fui caluniada, enraiveci mas desapeguei-me da minha imagem e reputação; já fui injustiçada, me senti coitada, mas aprendi a trilhar o caminho do bem a troco de nada. Já fui ofendida profundamente. Mais que uma vez. Tanto por quem está longe como por aqueles que caminham próximos. Sangra a alma, principalmente quando se tem uma afeição profunda pelo ofensor, mas estas dores estão me ajudando a trilhar cada passo do difícil caminho do perdão e vou na direção de zerar o saldo dos meus ofensores. E olhando para trás percebo que todos os pesares cooperaram e ainda cooperam para o adestramento da minha natureza humana.

Com certeza também ofendi, fui injusta, ingrata e desamparei. As vezes que me lembro, lamento muito. Mas deve haver situações que nem percebi! Que a misericórdia de Deus e das pessoas, me alcance.

Importo-me menos com as críticas. Deixo as pessoas livres para falarem de mim. Bem ou mal, gostarem ou não. Já não me atinge tanto!

Meu corpo envelheceu, mas minha cabeça (algumas pessoas também) ainda pensa que ele é novo! Vivo está cisão!

Por ser um corpo velho guarda cuidadosamente cada caloria ingerida! Minha força física diminui a cada dia; a beleza do meu rosto vai se escondendo atrás de novas dobrinhas. Minhas mãos estão manchadas pelo sol e o tempo. E os anéis que já usei, não passa mais pela artrose das juntas.

Cada dia que passa falo menos. Já enfrentei todos os fantasmas do silêncio e eles já não me assustam mais. E para meu êxtase, muitas vezes, encontro com o Sagrado na ausência de palavras!

Com isto escuto mais, sinto mais a pele de cada pessoa, grande ou pequena, que se aproxima. Enxergo melhor as fisionomias, as flores e o por do sol. Deixei os óculos que faziam parte do perfil desde a adolescência. O cristalino artificial me libertou da catarata e das lentes da armação. Escuto melhor cada palavra, soluço ou suspiro. Recebo no meu ser as agonias e as vibrações de cada pessoa que chega. Corpo velho tem menos órgãos… e mais espaço!
Vejo e escuto coisas e gentes que não percebia aos vinte, nem aos quarenta…

Descubro radiante:
tem muito novo numa vida velha.

Gosto de me cuidar, mas não sou escrava da minha aparência.

Tenho certeza: Nada diminui a idade!

Sou menos religiosa. Regras humanas não me prendem mais. Mas me vejo desejosa de descobrir mais da beleza espiritual do Deus que se encarnou. E sinto saudades da companhia do Cristo Redentor e me demoro no saborear, a Sua história de vida!
Não sou mais tão pobre! Tenho mais do que preciso e quase tudo que desejo! Vivo bem! Gosto da vida!

Devo ter mais uns 10 anos. Talvez menos, talvez mais. Que a morte me pegue de surpresa…
Que eu viva mais este ano, com dignidade, sob o olhar do Cristo Remidor!
Que continue a perseguir meu alvo: ser autentica é verdadeira em todo lugar com todas as pessoas.
Que seja um tempo de “Encontros” onde eu possa fecundar e também ser fecundada! Que algo meu fique no outro e algo do outro fique em mim…

Que eu tenha gratidão por aqueles que me amam e me fazem tanto bem!

Que meus sonhos sejam, principalmente, em prol das pessoas. Com prioridade, as que estão bem próximas.

Feliz ano novo, de vida, pra mim!

Alter do Chão out.13
Amo o nascer e o por do sol. Eles anunciam que algo ficou para trás e algo novo surge no horizonte… (Foto que tirei em 2014, Alter do Chão, Santarém, Pará)

PÁSCOA 2015

2 Comentários

Como muitos já sabem, sou cristã e tenho uma veneração toda especial por Cristo Jesus. Eu creio mesmo que ele era Deus que se fez gente, nasceu bebê, cresceu, viveu e morreu. Mas não ficou no túmulo! Ressuscitou para renovar cada dia não só a esperança, mas também a certeza da continuidade da vida em nossos corações. Nesta Páscoa, quero lembrar que vejo muita semelhança no ocorrido na última semana de vida aqui na terra, de Cristo e o processo de crescimento humano. Diante da expectativa de sofrimento os discípulos, dormiram, fugiram e depois duvidaram da Vida que (re)surgiu do túmulo em que Ele ofertado por José de Arimatéia, onde Seu corpo morto fora colocado. Cristo venceu a morte saindo de dentro dos tecidos da mortalha que o envolvia. Mas antes do domingo de aleluia, foi preso, menosprezado, cuspido, furado e pregado. Foi colocado no túmulo deixando um vazio horroroso e sombrio no coração dos seus seguidores. Mas na madrugada de sábado para o domingo quebrou o ferrão da morte, que ficou aleijada para sempre. Vejo muitas semelhanças no movimento humano em direção ao crescimento. É possível que se tenha de passar por todas estas fases e momentos. Quem quiser vencer as partes amortecidas em si mesmo, precisa ter a disposição e coragem de enfrentar seu próprio calvário, para finalmente ver ressurgir a vida abundante para a qual Deus nos criou. Feliz Páscoa 2015.Como muitos já sabem, sou cristã e tenho uma veneração toda especial por Cristo Jesus. Eu creio mesmo, que Ele era Deus que se fez gente, nasceu bebê, cresceu, viveu e morreu. Mas não ficou no túmulo! Ressuscitou para renovar cada dia, não só a esperança, mas também a certeza da continuidade da vida em nossos corações.
Nesta Páscoa, quero lembrar que vejo muita semelhança no ocorrido na última semana de vida aqui na terra, de Cristo, e o processo de crescimento humano.
Diante da expectativa de sofrimento os discípulos, dormiram, fugiram e depois duvidaram da Vida que (re)surgiu do túmulo, ofertado por José de Arimatéia, onde Seu corpo morto fora colocado. Cristo venceu a morte saindo de dentro dos tecidos da mortalha que o envolvia. Mas antes do domingo de aleluia, foi preso, menosprezado, cuspido, furado e pregado. Foi colocado na tumba, deixando um vazio horroroso e sombrio no coração dos seus seguidores. Mas na madrugada de sábado Ele surgiu Vivo novamente quebrando o ferrão da morte, que ficou aleijada para sempre.
Vejo muitas semelhanças no movimento humano em direção ao crescimento. É possível que se tenha de passar por todas estas fases e momentos. Quem quiser reviver as partes amortecidas em si mesmo, precisa ter a disposição e coragem de enfrentar o calvário ao encarar de frente suas próprias mazelas. Assim há possibilidade de ver ressurgir a vida abundante para a qual Deus nos criou, aqui.
Que possamos desfrutar do NOVO que o domingo da ressurreição anuncia: A Vida triunfou!
Que tenhamos mais vida!
Feliz Páscoa 2015.

PÁSCOA 2014

2 Comentários

Dedico este pequeno texto a todas as pessoas que repartem comigo suas dores, seus anseios e seus sonhos.

Páscoa além de lembrar feriado, ovos de chocolates e família traz também a memória o verdadeiro significado na prática cristã. Cristo saiu do túmulo e vive para sempre. Ele morreu na sexta-feira depois de uma condenação injusta e rápida (desconfio que é a mais rápida da história, foi preso na quinta ao anoitecer e no dia seguinte pela manhã foi condenado) foi crucificado e morreu as 15h. Mas na noite de sábado para domingo Ele ressuscitou. E, quando Maria de Magdala e outras mulheres foram ao túmulo levando unguentos, para cuidar melhor do corpo dele no domingo, a pedra estava fora do lugar e o interior do túmulo vazio. E por mais que se pesquise é comprovado que um corpo morto esteve naquele lugar, mas não como provar que o corpo tenha apodrecido ali. Ele ressuscitou. Venceu a morte! Refez a esperança!

Como cristã, creio nisso! Mas creio mais. Creio que o efeito da ressurreição de Cristo não se limita apenas a Vida Eterna. Ela se estende a nós em nossa vida terrena e faz toda a diferença. Em nossos processos de crescimento trilhamos muitas vezes caminhos de volta para buscar aquilo que, deveria fazer parte da nossa vivência cotidiana, mas acha-se amortecido e enterrado em algum lugar nos recônditos das nossas vidas e das nossas memórias. Então a páscoa pode e deve ser também uma renovação da esperança e do ânimo em cada coração para não temermos a busca da vida que se perdeu em algum trajeto ou experiência dolorida. Crendo que há a possibilidade do “morto” ganhar vida, ressuscitar e se reintegrar  no nosso viver diário, fazendo-nos mais inteiros e contribuindo para nossa completude!

Então, feliz páscoa! Em todos os sentidos!

O ABORTO E SUAS DORES

4 Comentários

Meu trabalho é ouvir os segredos e as dores das pessoas. E entre tantas dores estão as das mulheres que um dia interromperam uma gestação. Algumas aceitam o perdão de Deus, o perdão dos familiares mas tem dificuldades de doarem perdão para si mesmas. Entre estas está a Amália, doutora em arquitetura. Ela queria muito reparar o que fez, ter seu feto de volta. Ou ter seu bebê crescido. Adulto. Não dá mais. A ciência e nem nada neste mundo pode reparar o que foi feito. Quando estava em contato com esta dor, Amália escreveu o poema abaixo:

DOR: Antes e depois

“Dentro de mim tem uma dor

Plantada em amargo chão

De uma semente que não floresceu

Pois um jardineiro a renegou

Infeliz.

 

Dentro de mim tem criança

que se desfez

Tem adolescente que não aconteceu

Tem adulto que não envelheceu

 Ladrão

 

Dentro de mim tem grito de socorro

Largado num vazio

Tem lágrimas transformada em rio

De uma agulha enfiada no coração

Morte

 

Dentro de mim tem estrada sem retorno

E bracinhos que não mais esperam

Tem finitude do que não era meu

Trapaça

 

Eu fui casa sua

E demolição

Seu primeiro tom de respeito

Mas lhe disse não

Abandono

 

E levo comigo um demônio

Que me acorda

Com o pranto seu

Que escancara em minha alma

Aquilo que você não viveu

Remorso

 

 E vou vivendo infeliz

 Roubando, morrendo

 Trapaceando minha vida

 Me abandonando num remorso

 Das vidas que eu não quis.”

 

Deus ama e acolhe quem sofre este tipo de dor. E na cruz de Cristo está a restauração total. Ele esbanjou absolvição para todo e qualquer ato do qual uma pessoa venha a se arrepender. Mesmo aqueles atos que não se tem como reparar. No calvário o coração e a vida pode se refazer e sair da culpa e da auto punição, porque o preço foi pago. Por mim e por ti. “…o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele e pelas suas pisaduras fomos sarados.” Isaías 53.5

 

 

 

Older Entries